Tecendo memórias no fio da luta: decolonialidade na história da cidade

Autores

  • Giovana Cruz Alves Universidade Federal Fluminense (UFF)
  • Poliana Gonçalves Monteiro Instituto de Pesquisa e Planejamento da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
  • Fernanda Gomes de Oliveira Universidade Federal Fluminense (UFF)

Palavras-chave:

História da arquitetura e da cidade, Decolonialidade, Memória, Cotidiano, Lutas urbanas

Resumo

A colonialidade do saber urbano atravessa o campo dos estudos históricos da arquitetura e da cidade no Sul Global e contribui para a invisibilização da história e da memória de grupos subalternizados. Com base nessa premissa, o trabalho traz uma perspectiva decolonial circunscrita nos debates teóricos acerca do Sul Global que busca questionar as teorias e metodologias hegemônicas, vinculando a crítica à experiência concreta das sociedades marcadas pelo colonialismo. Nosso objetivo é colaborar na construção de uma historiografia da arquitetura e da cidade que contemple as memórias de grupos sociais em situação de subalternidade. Sugerimos que a observação do cotidiano e das lutas urbanas possa contribuir para a democratização da história e da memória coletiva. Nesse sentido, abordamos as ocupações de moradia popular da região portuária do Rio de Janeiro e as lutas urbanas pelo direito à moradia e ao trabalho, evidenciando as sujeitas e os sujeitos que vivem na cidade e a constroem. Utilizando o relato oral como método, trazemos a narrativa e o cotidiano da mulher periférica trabalhadora para o centro da história. Como resultados principais, avançamos na reflexão em torno das categorias colonial e decolonial, eurocentrado e subalterno dos debates teóricos situados no Sul Global, evidenciando, essencialmente, a fala da mulher trabalhadora na disputa das narrativas.

Biografia do Autor

Giovana Cruz Alves, Universidade Federal Fluminense (UFF)

É arquiteta e urbanista, Mestre em Arquitetura e Urbanismo e pesquisadora do grupo Grandes Projetos de Desenvolvimento Urbano (GPDU) no Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal Fluminense (UFF). Estuda história da arquitetura e da cidade, cultura, memória e subjetividade na arquitetura e na cidade, e decolonialidade.

Poliana Gonçalves Monteiro, Instituto de Pesquisa e Planejamento da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

É arquiteta e urbanista, Mestre em Planejamento Urbano e Regional e pesquisadora no Laboratório Estado, Trabalho, Território e Natureza (ETTERN) do Instituto de Pesquisa e Planejamento da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e do grupo Grandes Projetos de Desenvolvimento Urbano (GPDU) no Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal Fluminense (UFF). Estuda Habitação de Interesse Social, Movimentos Sociais, Assentamentos Precários, Política Habitacional, Produção do Espaço e Direitos Humanos a partir da perspectiva feminista, com foco nas lutas protagonizadas por mulheres.

Fernanda Gomes de Oliveira, Universidade Federal Fluminense (UFF)

É graduada em Turismo, Mestre em Arquitetura e Urbanismo e pesquisadora do grupo Grandes Projetos de Desenvolvimento Urbano (GPDU), no Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal Fluminense (UFF). Desenvolve pesquisa sobre a relação turismo e cidade, conflitos urbanos e turismo, e políticas públicas e turismo.

Publicado

2021-12-21