Dessincronizado o Ocidente: novos vetores de desenvolvimento do Sul

Autores

  • Marcelo Reis Maia Universidade Federal de Minas Gerais
  • Natacha Silva Araújo Rena Universidade Federal de Minas Gerais

Palavras-chave:

Geopolítica, Desenvolvimento, Cosmotécnica, Características chinesas, Tecnodiversidade

Resumo

Este artigo objetiva apresentar uma visão cosmopolítica de futuro compartilhado nas relações internacionais Sul-Sul, considerando diferentes velocidades e vetores de desenvolvimento territorial. Como aposta política, adotamos uma metodologia que parte de uma multiplicidade de visões, principalmente utilizando fontes advindas do Sul Global. Na primeira parte do texto, buscamos apresentar brevemente o Estado-civilização China, desde as perspectivas: de seu líder atual, Xi Jinping (2020, 2021), do diplomata brasileiro Samuel Pinheiro Guimarães (2020) e do diplomata americano Henry Kissinger (2012). Também utilizamos como referência pensadores contemporâneos como o chinês Hu Angang (2017, 2020), autores brasileiros como Elias Jabbour (2020) e o pensador argentino Javier Vadell (2021). Seguimos esta análise das relações internacionais, com características chinesas e a cooperação Sul-Sul, utilizando contribuições do Ministro Conselheiro da Embaixada da China no Brasil, Qu Yuhui (2021). Na segunda parte deste texto, realizamos uma reflexão apoiada no conceito de cosmotécnica, desenvolvido pelo filósofo chinês Yuk Hui (2020), que observa a tecnologia com o objetivo de recuperar a nossa capacidade de moldar o futuro. Finalizamos apontando desafios para o Sul Global envolvendo cooperação Sul-Sul, onde o 5G tem sido um nó fundamental para alavancar o desenvolvimento e, ao mesmo tempo, reforçar a soberania dos países envolvidos.

Biografia do Autor

Marcelo Reis Maia, Universidade Federal de Minas Gerais

É arquiteto e urbanista, Mestre e Doutor em Arquitetura e Urbanismo. É professor da Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais e do Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), onde desenvolve pesquisas sobre Arquitetura, Urbanismo e Design, com ênfase em tecnopolitica, geopolítica e território, paisagem e ambiente, urbanismo chinês e urbanismo instantâneo. É membro do grupo de pesquisa Indisciplinar e do programa de extensão IND.LAB - Laboratório Nômade do Comum, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Natacha Silva Araújo Rena, Universidade Federal de Minas Gerais

É arquiteta e urbanista e Doutora em Comunicação e Semiótica. É professora da Escola de Arquitetura e Design e do Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Coordena o grupo de pesquisa Indisciplinar e o programa de extensão IND.LAB - Laboratório Nômade do Comum, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Atua nos temas geopolítica e território, cartografias das lutas urbanas, arquitetura contemporânea e coletivos ibero-americanos.

Publicado

2021-12-21