O design espontâneo periférico de Brasil e Cuba na América Latina

Autores

  • Pamela Cordeiro Marques Corrêa Escola Superior de Desenho Industrial da Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Marisa Cobbe Maas Departamento de Design da Universidade de Brasília

Palavras-chave:

Design espontâneo, Gambiarra, Desobediência tecnológica

Resumo

Este artigo compara, através de revisão bibliográfica, a relação que Cuba e Brasil mantêm com seu design espontâneo periférico, ou seja, com as produções materiais intuitivamente criadas por suas populações em resposta à falta de recursos. De forma descritiva e explicativa, analisa, na sociedade cubana, a massificação do que Ernesto Oroza chamou de “desobediência tecnológica”: o desrespeito à “aura de indivisibilidade” dos produtos industriais a partir da crise dos anos 1990. Em seguida, por método comparativo, contrasta essa abordagem com o olhar brasileiro sobre a chamada “gambiarra”, que, apesar de percebida no país como verdadeira instituição da cultura nacional, é sujeita à estigmatização por parte da cultura hegemônica. O estudo mostra por meio da observação das convergências e divergências entre esses fenômenos que é possível entender como eles se relacionam com as características socioculturais dos cenários latino-americanos dos quais emergem. Como resultado, infere que as distintas conjunturas de Cuba e Brasil explicam a discrepância no acolhimento dessas manifestações em suas respectivas sociedades. Por fim, percebe tais manifestações como referências de práticas de design do Sul Global com potencial para catalisar mudanças sociais, uma vez que possuem em sua essência a busca por emancipação.

Biografia do Autor

Pamela Cordeiro Marques Corrêa, Escola Superior de Desenho Industrial da Universidade do Estado do Rio de Janeiro

É graduada em Design de Interiores, Mestre em Design e pesquisadora do grupo de pesquisa e extensão Cultura Urbanismo Resistência Arquitetura - CURA, da Escola Superior de Desenho Industrial da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Desenvolve pesquisa sobre design espontâneo periférico e suas questões sociais e políticas.

Marisa Cobbe Maas, Departamento de Design da Universidade de Brasília

É arquiteta e urbanista, Doutora em Teoria, História e Crítica, e é professora do Programa de Pós-Graduação do Departamento de Design da Universidade de Brasília. Tem experiência na área de Design e Arquitetura, com ênfase em Teoria e crítica, Estética, Teoria e História do Design e Design Educação. Coordena o grupo Design Educação da Universidade de Brasília.

Publicado

2021-12-21